Somos feitos das nossas próprias escolhas. Por isso, coloque dentro de você apenas aquilo que vai dar elegância ao seu caminhar e leveza ao seu mundo interior. Isi Golfetto

O peso que carregamos!
Isi Golfetto
Reconheça as emoções que pesam em sua vida e livre-se delas. Ao se libertar de sentimentos inúteis e pesados você vai colocar a sua vida em movimento harmônico e leve. Não subestime esse processo.
Muitas vezes você não se dá conta do fardo que carrega
até o momento em que se livra dele.
A vida confia a cada um de nós a responsabilidade de moldarmos o nosso caráter através das escolhas que fazemos.
Temos a possibilidade de crescer removendo o que for negativo ou estacionar ali, delimitando o sentido da nossa história
Aceita um convite para viajar dentro da sua própria história? A proposta é simples - checar a sua bagagem refletindo sobre as escolhas feitas. 
Enquanto você decide o que guardar e o que quer se livrar, se concentre na ideia de selecionar apenas as coisas que garantam energias boas e positivas.
Vamos imaginar que no início da nossa história a nossa bagagem coubesse em uma valise de mão.
À medida que os anos foram passando a pequena valise deu lugar a uma mala maior e, depois outra um pouco maior, e então, outra maior ainda. Fomos acumulando coisas acreditando que, um dia, elas pudessem ter alguma utilidade. 
Só que, sem nos darmos conta, algumas dessas  escolhas começaram a pesar. Carregar essa quantidade enorme de bagagem se tornou insuportável. 
Como continuar o percurso sem tanto desgaste?
Há duas opções...
ficar sentado à beira do caminho esperando que alguém nos ajude a carregar a nossa mala, o que dificilmente vai acontecer pois todos os que passam já estão com a sua própria, ou
optar por rever as próprias escolhas e retirar tudo o que é inútil, negativo e pesado.
Mas, o que retirar? Como fazer isso?
O primeiro passo é esvaziar a mala.
Em seguida, é preciso avaliar a utilidade de cada item e decidir o que recolocar na mala.
Vamos começar? Se quiser me acompanhar e fazer o mesmo com a sua bagagem, fique à vontade.
Olha só o que encontrei ao abrir a minha mala - o amor e a amizade. Interessante... não pesam nada!
Humm... agora toquei em alguma coisa áspera, dura e bem pesada... e, próximo a essa tem outras semelhantes... haja força para retirar cada uma delas. A primeira é a raiva e ela está ocupando um espaço enorme... ao lado dela estão a mágoa, a incompreensão, a ansiedade, a preocupação, o medo, o desânimo, o pessimismo... e olha quanta tristeza espalhada por aqui.
Agora parece que toquei em algo mais delicado e leve... é um sorriso. Que pena, ele estava sufocado aqui. Nossa, encontrei mais um... olha mais outro aqui. Ao lado dos sorrisos encontrei a felicidade!
Adivinhe o que achei agora... a paciência. Estava prensada aqui no fundo... parece que foi pouco utilizada. Sabe que eu nem me dei conta de que não a usava tanto!
No fundo da mala, também, encontrei a força, a esperança, a coragem, o entusiasmo, o equilíbrio, a gentileza, a responsabilidade, a tolerância e o bom humor.
E você não vai acreditar o que estava dentro da bolsa interna da mala... a sabedoria.
Pronto! O próximo passo é escolher o que recolocar na mala. Sabe a quem vou pedir ajuda? À sabedoria.
E você? Animado para arrumar a sua bagagem?
Duas coisas são importantes ter em mente para essa tarefa...
O caminho a percorrer. Lembre-se que o seu caminho poderá ser longo e a mala poderá pesar novamente. Deixe a sabedoria sempre à mão para que ela oriente você nessa arrumação.
A sua decisão. O que você vai recolocar em sua mala é da sua livre escolha, bem como a responsabilidade por carregar a sua própria bagagem.
Muitas vezes você não se dá conta do fardo que carrega até o momento em que se livra dele.
Certo dia um menino chegou da escola muito irritado.
Ele contou para a sua tia que havia brigado com os coleguinhas e estava com muita raiva deles.
Prontamente, a tia perguntou se ele queria se livrar daquela raiva.
O menino disse que sim.
A tia continuou... está vendo aquele lençol branco pendurado no varal? Pois bem, pegue alguns pedaços de carvão e jogue no lençol com toda a sua força para tirar essa raiva de dentro de você.
O menino, admirado, perguntou... mas eu vou me sentir melhor?
A tia, olhando para a criança, respondeu... vamos ver?
Mais que depressa o menino pegou os pedaços de carvão e os jogou no lençol branquinho.
Quando terminou ele viu o lençol todo sujo e notou que a sua roupa, mãos e braços também estavam imundos.
Um pouco assustado e sem saber o que dizer o menino ficou olhando para o lençol e para si mesmo.
A tia, então, começou a explicar... você percebeu o que aconteceu ao atirar o carvão? Sujou o lençol e sujou você. Da mesma forma que, ao atirar a sua raiva contra os seus coleguinhas, a raiva voltou para você.
Sempre que sentir raiva, ódio, mágoa, rancor você precisa compreender que essas emoções negativas contra o outro atingem, principalmente a você e o seu coração, trazendo tristeza e deixando o seu espírito irrequieto. Os sentimentos negativos e ruins são como um bumerangue... podem acertar o alvo, mas sempre voltam!
Vá lá, arrume a sua bagagem. Livre-se desse fardo.... você vai sentir a sua vida fluir.
Agradeço a sua companhia até aqui.
Um grande abraço.
Isi

Um comentário:

  1. Belo texto, Isi.

    Então, vamos usar mais a SABEDORIA para fazer melhores ESCOLHAS!

    ResponderExcluir

Agradeço sua visita! Volte sempre!