Um excelente educador não é um ser humano perfeito, mas alguém que tem serenidade para se esvaziar e sensibilidade para aprender. Augusto Cury

Que momentos você gostaria de eternizar em sua vida?
Isi Golfetto
O jeito de ensinar pode até mudar com o tempo. O que não muda é a importância do trabalho de educar vidas para que possam viver melhor. Esse é o grande desafio, o maior sentido e a plena realização de ser professor.
Hoje a homenagem do Bate-papo com Estilo vai para os professores, classe que me orgulho em fazer parte.
Para elaborar esse post utilizei partes da entrevista do professor de Ética, da Escola de Comunicação e Artes da USP (Universidade São Paulo), Clóvis de Barros Filho ao Jô Soares, apresentador de um programa de talk show aqui no Brasil.
Qual o seu conceito de felicidade? Existe uma idade em que podemos compreender e viver a felicidade? Como um professor pode influenciar a vida de seus alunos?
Segundo o professor Clóvis, até os seus 13 anos de idade todas as atividades em que participava, ele não via a hora que acabasse... de um treino de natação... a um jogo, mesmo do São Paulo.
Até que um dia, o professor de geografia do 1º colegial, pediu aos alunos que preparassem um seminário, com duração de 50 minutos. Para o Clóvis o tema da sua apresentação foi... 'O Petróleo'. Ele se preparou. O tal dia finalmente chegou!
Clóvis subiu no palco e se viu diante de uma plateia cheia de alunos atentos e pela primeira vez na vida sentiu que estava no lugar de onde nunca deveria sair. Estava vivendo um momento que jamais desejaria que acabasse. E, para que aquele momento não acabasse, ele não começava a sua apresentação. Todos estavam em silêncio. Até que o professor se irritou com a sua atitude e perguntou:
*O senhor engoliu a língua?
Assim comecei a minha apresentação. Só que de tão empolgado que estava falei tudo o que havia preparado sobre o tema em 15 minutos. E o que fazer com os 35 minutos restantes? Foi aí que um dos colegas teve a brilhante ideias de pedir ao professor que me deixasse continuar e o professor comentou:
*Ele que fale. O tempo é todo dele.
Percebi, naquele instante, que a bola veio para mim. Continuar ou não continuar? Meu corpo gritava:
*Hei! 13 anos de uma vida de m****, agora que está aí não sai daí!!!
Assustado respondia para o meu corpo:
*Mas eu não sei mais nada sobre o petróleo!
*Inventa qualquer coisa, p****, gritava o meu corpo, mas não sai daí!!!
Foi aí que lembrei do meu pai, que nunca entrou em uma faculdade, mas dizia coisas que depois encontrei na mais fina filosofia: Demore o tempo que for para você decidir o que quer da vida e depois que decidiu não recue ante nenhum pretexto porque o mundo tentará te dissuadir. Profeta Zaratustra, de Nietzsche.
Claro, meu pai dizia tudo aquilo um pouco diferente: 
*Demore o tempo que for para você decidir... até aí tudo igual ao profeta... voltar para trás nem para pegar impulso porque não vai faltar quem vai querer te f****, seu b****!
Naquele momento precisei decidir entre o correr ou ficar... lembrei do meu pai e decidi inventar o petróleo e continuei...
*Até aqui falei das bacias petrolíferas, está tudo no livro de vocês, é só ler. Agora vou falar de um tema mais sofisticado, peço que anotem que pode cair no vestibular. Isto não está no livro - é sobre a qualidade do petróleo nessas bacias. Tem petróleo bom que energiza muito e tem petróleo que não presta.
Olhei para trás e o professor arriou os óculos intrigado com aquilo, e eu senti medo, mas eu lembrei do meu pai: *Seu b****, não volte para trás nem para pegar impulso!
Com certeza eu não ia mais voltar. Aí peguei impulso e comecei: 
*O melhor petróleo do mundo todos sabem é o petróleo da RomêniaOs alunos começaram a anotar. 
*Do Norte da Romênia, região da Sildávia, completei. (Esse conhecimento tirei das 'Aventuras de Tintin'.)
Eu olhei para trás e desta vez vi que o professor balançava a cabeça. No mínimo ele devia estar pensando: 
*Eu não sei p*** nenhuma disso. Esse cara só pode estar me zoando.
Aí eu vi que era a hora de aproveitar a fragilidade dele e perguntei:
*O senhor sabia disso?
Assustado ele respondeu: 
*Não, eu não sabia.
Então eu falei:
*Anota para aprender alguma coisa!
No momento em que eu pedi para ele anotar as coisas que eu estava inventando e ele não reagiu eu pensei: 
*Esse lugar é simplesmente do c******, velho. Eu nunca mais saio daqui!
E foi ali que eu entendi alguma coisa que a filosofia grega tenta explicar muito bem: O momento de felicidade é o momento que você não gostaria que acabasse tão cedo. É um momento que você desejaria eternizar. Um momento que você gostaria que durasse mais tempo.
E aquele momento foi para mim, o primeiro em 13 anos que eu senti felicidade em minha vida, porque foi o primeiro momento que a escola me deu a chance de encontrar a potência da muda, as características que eram as minhas e que se eu fizesse frutificar poderiam acabar possibilitando a árvore de um docente que vai exercer a docência com amor, com paixão, com dedicação e assim por diante.
Se desejar assistir a entrevista do professor Clovis na íntegra, clique no link. O professor Clóvis continua contando sua experiência, o seu amor e paixão pela sua realização em ser professor. Vale a pena. Além de aprender com ele, você vai se divertir bastante.
Feliz dia do Professor!
Agradeço sua companhia até aqui.
Um grande abraço
Isi 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço sua visita! Volte sempre!